Angola is well-positioned to leverage its world-class oil and gas resources to promote trade, collaboration and growth within the wider African energy economy. Set to bring about significant opportunities for the entire southern African region, the country’s participation within regional energy networks based on the creation of hubs and pipeline systems will serve as the backbone for the distribution of power and socioeconomic development between countries in the region.

Southern African Development Community

Angola is a founding member of the Southern African Development Community (SADC), an inter-governmental organization formed as an alliance of 16 southern African countries with the aim of coordinating development projects and promoting cooperation and integration to preserve economic independence. The SADC plans and coordinates projects within the agriculture, energy, mining and trade sectors in southern Africa, prioritizing the development and improvement of regional networks amongst its member countries.

Central African Pipeline System

Under the mandate to make energy poverty history by 2030, a coalition of central and southern African nations including Angola, Cameroon, Chad, the Republic of Congo, the Democratic Republic of Congo (DRC), Equatorial Guinea and Gabon signed a Memorandum of Understanding (MoU) in September 2022 for the construction of a regional oil and gas pipeline network.

The Central African Pipeline System will comprise three multinational pipeline systems and will include hub infrastructure that features storage depots, liquefied natural gas terminals, refineries and gas-fired power plants. The pipeline system will include the Central Southern Pipeline System, which will link Angola to the DRC, Rwanda and Burundi.

Angola-Zambia Oil Pipeline

In April 2021, the Governments of Angola and Zambia signed an MoU aimed at constructing a pipeline to supply refined petroleum products from Angola’s planned Lobito Oil Refinery to Zambia’s capital city of Lusaka. The $5 billion deal will be developed by the private sector along with Angola’s national oil company Sonangol and Zambia’s state-owned Industrial Development Corporation as strategic equity partners. With a planned length of approximately 1,400km and expected to have a capacity of 200,000 barrels per day, the Angola-Zambia Oil Pipeline will transport petrol, diesel, kerosene and gas, thereby diminishing the price of fuel for Zambia while serving as a lucrative source of revenue for Angola.

Southern African Power Pool

Developed through the cooperation of national electricity companies in southern Africa and under the auspices of SADC, the Southern African Power Pool (SAPP) was created with the aim of facilitating a reliable electricity network in the region.

Angola is currently a non-operating member of the international agency, however, the joint construction of the planed 600 MW Baynes Hydroelectric Power Station, straddling the border between Angola and Namibia, will connect the southern African country to the network. Additionally, the development of Angola’s Energy Sector Efficiency and Extension Program will further enable a connection to the SAPP while serving as the backbone for the distribution of power to the southern provinces of Angola and northern region of Namibia.

As Angola’s energy sector grows, these regional networks will enable the entire southern African community to benefit from the country’s oil and gas resources. All this and more will be further unpacked during this year’s edition of the Angola Oil & Gas conference and exhibition, expected to be launched soon. Keep watching Energy Capital & Power’s website and social media channels for updates on the event! 

Angola está bem posicionada para alavancar os seus recursos de classe mundial no petróleo e gás de forma a promover o comércio, a colaboração e o crescimento na economia energética africana em geral. Pensada para trazer oportunidades significativas a toda a região da África Austral, a participação do país nas redes regionais de energia, com base na criação de “hubs” e sistemas de oloeodutos e gasodutos, servirá como espinha dorsal para a distribuição de energia e desenvolvimento socio-económico entre os países da região.

Comunidade de Desenvolvimento da África Austral

Angola é membro fundador da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), uma organização inter-governamental formada por uma aliança de 16 países da África Austral. O objectivo desta organização é coordenar projectos de desenvolvimento e promover a cooperação e integração de forma a preservar a independência económica. A SADC planeia e coordena projectos nos sectores da agricultura, energia, mineração e comércio na África Austral, tendo como prioridade o desenvolvimento e melhoria das redes regionais entre os países membros.

Sistema de Oleodutos da África Central

Com o mandato de eliminar a pobreza energética até 2030, uma coligação de nações da África Central e Austral, incluindo Angola, Camarões, Chade, República do Congo, República Democrática do Congo (RDC), Guiné Equatorial e Gabão, assinaram um Memorando de Entendimento ( MoU), em Setembro de 2022 para a construção de uma rede regional de oleodutos e gasodutos.

O Sistema de Oleodutos da África Central compreenderá três sistemas de oleodutos multinacionais, e incluirá uma infra-estrutura central com depósitos de armazenamento, terminais de gás natural liquefeito, refinarias e unidades de produção de energia movidas a gás. Este sistema incluirá o Oleoduto Central Sul que ligará Angola à RDC, Ruanda e Burundi.

Oleoduto Angola-Zâmbia

Em abril de 2021, os Governos de Angola e Zâmbia assinaram um Memorando de Entendimento (MoU) visando a construção de um oleoduto para fornecer produtos petrolíferos refinados da Refinaria do Lobito, em Angola, para a capital da Zâmbia, Lusaka. O negócio de 5 biliões de dólares será desenvolvido pelo sector privado em conjunto junto com a petrolífera nacional de Angola, Sonangol, e companhia estatal zambiana, Industrial Development Corporation, como sócios patrimoniais. Com uma extensão prevista de aproximadamente 1.400 kms, e com a expectativa da Refinaria do Lobito produzir até 200 mil barris por dia, o Oleoduto Angola-Zâmbia vai transportar gasolina, gasóleo, querosene e gás, diminuindo assim o preço do combustível para a Zâmbia e tornando-se numa importante e lucrativa fonte de receitas para Angola.

Grupo de Energia da África Austral

Desenvolvido através da cooperação de empresas nacionais de eletricidade da África Austral, e sob os auspícios da SADC, o “Southern African Power Pool” (SAPP) foi criado com o objectivo de facilitar uma rede elétrica fiável na região.

Angola é actualmente um membro não operacional desta agência internacional, no entanto, a construção conjunta da projectada Central Hidroeléctrica de Baynes de 600 MW, situada na fronteira entre Angola e a Namíbia, vai criar uma a ligação angolana a esta rede energética. Além disso, o desenvolvimento do Programa de Extensão e Eficiência do Sector Energético de Angola permitirá ainda a conexão com o SAPP, servindo como espinha dorsal na distribuição de energia para as províncias do sul de Angola e para a região norte da Namíbia.

À medida que o sector de energia de Angola vai crescendo, essas redes regionais permitirão que toda a comunidade da África Austral beneficie dos recursos de petróleo e gás do país. 

Todos os pormenores sobre estes temas serão revelado durante a Conferência e Exposição “Angola Oil & Gas 2023”. 

Continue acompanhando o nosso website e as páginas oficiais nas redes sociais da Energy Capital & Power para estar permanentemente actualizado sobre o evento!